quinta-feira, setembro 13, 2007

ENTRE O SER E AS COISAS



Onda e amor, onde amor, ando indagando
ao largo vento e à rocha imperativa,
e a tudo me arremesso, nesse quando
amanhece frescor de coisa viva.

As almas, não, as almas vão pairando,
e, esquecendo a lição que já se esquiva,
tornam amor humor, e vago e brando
o que é de natureza corrosiva.

N´água e na pedra amor deixa gravados
seus hieróglifos e mensagens, suas
verdades mais secretas e mais nuas.

E nem os elementos encantados
sabem do amor que os punge e que é, pungido,
uma fogueira a arder no dia findo.

(Drummond)

Imagem - Celorico da Beira - Pt.

2 comentários:

lui disse...

Querida, que bom ter notícias suas... Por favor, me dê um tempinho. Quero te escrever com calma, quero conversar, quero ouvir tudo que você tem pra contar, quero te contar várias coisas. Quero muito, Bel, você é uma pessoa querida para mim e muito admirada para mim. Isso que você escreveu no seu perfil me sensibilizou até as lágrimas, me enxerguei em cada letra sua e isso me mostra quantas coisas temos em comum apesar de nossa diferença de idade. Estou numa fase meio "down", ou melhor, totalmente "down"... Estou recolhendo um pouco de ânimo. Te escrevo logo.

Um beijo, amiga.

Lui

Ricardo Soares disse...

obrigado pelas visitas que tem feito.. tenho adorado seus comentários...bjs... só falta vc me linkar pra eu te linkar já que a sincronia ficou comprovada...poxa , vc gosta até do dante milano que é um poeta que adoro e que pouca gente conhece...parabens... bjs